Nem tão ao céu, nem tão à terra

quarta-feira, agosto 07, 2013

Vou me dar ao trabalho de algo que deveria ter feito há muito tempo. Não o fiz antes porque,    apesar de acharem que fico na frente de uma antiga penteadeira alisando as madeixas e usando a fita métrica para organizar meu coque, eu estava gestando uma vidinha que Nosso Senhor me mandou de presente e limpando crianças encatarradas no meio da madrugada. Sim, eu limpo isso e coisas piores, que fariam muito nerd católico surtar, dar pitís e ter desmaios consecutivos. Não tenho que me justificar de nada, devo conta da minha vida a Cristo e minha família, apenas. Mas sinto que meu apostolado está sendo usado como escárnio e esculachado, desviando do seu real sentido.

Nunca me pretendi doutora de nada, não entendo de moda, não sou fashionista, não conheço todos os autores sobre modéstia ou elegância do mundo, não sou especialista em literatura alguma, nem em Dostoiévsky nem na Coleção Vaga-Lume. Sou uma despretensiosa blogueira com um objetivo, um chamado a tratar sobre um tema, que até então, na época em que iniciei meu apostolado, era um terreno vazio.




Evidente que procuro me especializar, mas não me declaro por aí doutora em moda e modéstia. O que sei é que busco modelos, inspirações e a partir daí trabalho. Meu principal modelo é Nossa Senhora, sem sombra de dúvidas, entretanto busco modelos reais e contemporâneos também, mulheres de carne e osso que vivem na atualidade. Pecadoras? Sim, e com muitos pecados, assim como eu. 

Não me declaro santa, nem me comparo a Nossa Senhora - longe de mim. Entretanto, sei que não é a roupa que faz o monge, o que não descarta a necessidade de algumas limitações.

Mas um modelo é um modelo, busca-se segui-lo para ser melhor como pessoa, ser humano e cristão. A mulher deve busca a beleza, imitar gestos e procurar regras de etiqueta pode parecer afetação, mas serve para algumas que se tornaram - ou têm a tentação de ser -  tão abrutalhadas por este mundo masculinizante e vulgar de hoje.

Talvez eu tenha que ser mais clara em meus artigos, talvez seja este meu erro. Escrevo, entretanto, não para feministas travestidas de católicas. Escrevo para mulheres católicas, cristãs ou bem intencionadas que buscam formação, e formação completa. Não adianta eu me achar modesta e cultíssima e me maquiar com uma sombra verde horrorosa de qualquer jeito, achando que arraso e não preciso me formar nesse aspecto, apenas culturalmente, pois já me acho entendida de moda e maquiagem - já que minha mãe me elogia em casa.

Pode parecer duro, mas dói ver como a pretensão humana não tem limites. Eu desejo me formar em todos os aspectos, acredito que nada sei e estou sempre buscando formação e modelos para me inspirar. Penso que as seguidoras do blog são iguais e desejam se polir de tal forma que se tornem mulheres adoráveis.

Sim, algumas de pérolas, algumas de colar de resina, mas o que importa é que desejam também se tornar mulheres tão belas, arrumadas que transpareçam através de si a Cristo e Nossa Senhora.

O que falta para algumas mentes perceberem é que há justo termo e bom senso e isso nenhuma regra ou fita métrica pode medir. Tem que passar antes pela formação do ser humano. A elegância que prego é a que vem de dentro. O exterior só deve ser um símbolo, um sinal, porque a roupa, sim, passa uma mensagem. Daí a dificuldade do meu apostolado. É fazer com que as pessoas entendam que para cada pessoa há uma dosagem de remédio diferente.

Antes de sair por aí, a pessoa tem que colocar uma roupa, se olhar no espelho e ver se não vai revelar demais daquilo que lhe foi dado como seu templo sagrado -  e que deverá ser revelado ao seu marido apenas. Depois ver se aquele vestuário não vai tentar aos outros, provocando o pecado alheio. Enfim, ver se a roupa é bela ,é agradável aos olhos próprios e dos outros.

O exterior deve ser o reflexo do interior, já o disse. Uma pessoa com uma vida de oração, apostolado e vivência da fé cristã, é alegre, feliz e deve transmitir isso para todos.

Bem vestida, sim, maquiada, sim, unhas pintadas sim, usando produtos de higiene e beleza, sim!

Mesmo a moça mais desprovida de dotes naturais transmitirá beleza e modéstia.

Agora, se a pessoa não acha isso necessário, pode continuar a usar capa de bujão de gás como se bela vestimenta fosse, pois só atrairia olhares se nascesse com a beleza natural de uma artista de Hollywood. O que, infelizmente, na vida real não acontece.

O que é o triste disso tudo é que não me conhecem e atacam meu lado pessoal, até minha honra.

Em nome de meu marido que não tem que ouvir certos insultos de bocas podres eu escrevo. Sou uma mãe de família, ocupada demais com seus afazeres e na difícil tarefa de tentar tornar meus filhos santos.

Para tanto não pretendo mais me justificar. Sigo meu apostolado e rezarei para que essas pessoas que têm veneno na boca ou para aquelas que são bem intencionadas, mas não conseguiram entender e nem chegar ao alcance do que pretendo, consigam compreender a mensagem de meus artigos e apostolados.  No mais não perderei tempo nem me desgastarei com o que não tem valor nem interessa.

POSTS RECOMENDADOS

22 comentários

  1. Amiga, muitos não conseguem notar o seu trabalho por puro preconceito. Eu a agradeço por se dar ao trabalho de fazer este apostolado. Deus a abençoe.

    ResponderExcluir
  2. Aline,sou grata a Deus por seu apostolado,que alcançou minha vida e me motiva a ser uma mulher bela de dentro para fora,não por vaidade,mas para que a beleza de Cristo transborde e seja vista por quem necessita Dele. Quem tem um coração reto sabe o que você posta,para quem você posta e com que intenção. Muitos que se fazem de cegos, por mais claro que você deixe seus propósitos,continuarão com o farisaísmo de sempre. Seu testemunho de esposa,mãe e serva de Deus tem cheiro de santidade,pois concilia o Céu e a Terra, o sobrenatural (na vida de oração,nos sacramentos) com o humano (casa,esposo,filhos lindos,encatarrados ou não). Isso não são todos que veem, e não importa,pois Deus vê e se alegra.

    Deus te abençoe e que a Virgem siga ao seu lado no Caminho do Cristo. Com amor,em Cristo, Andréa

    ResponderExcluir
  3. Aline parabéns pelas palavras. Continue cada vez mais com seu blog...acho fantástico e sempre que tenho duvida recorro e indico a minhas amigas. Tenho pena de pessoas pequenas com postura medíocre....suas palavras devem estar até agora ecoando na cabeça de quem falou besteira....beijo

    ResponderExcluir
  4. Onde eu assino, amiga?
    Penso que demoraste demais a escrever isso... mas o que penso não importa, porque Deus sabe o tempo certo das coisas! E você, mais uma vez, mostrou muita elegância ao rebater o que essa escória de gente tem falado de ti e do teu apostolado! Parabéns e que Deus e Nossa Senhora continuem te abençoando sempre! :)

    ResponderExcluir
  5. Parabéns pelo artigo. A mulher católica deve sim, vestir-se com modéstia e elegância, e, como a senhora disse, procurando preservar-se e evitar ser motivo de escândalo e de ocasião de pecado a terceiros.

    Para vestir-se com pudor e elegância não é necessário dispor de muitos recursos financeiros. É usar o bom gosto e o bom senso.

    Que Nossa Senhora abençoe o seu apostolado e o faça frutificar.

    ResponderExcluir
  6. Estou contigo! e acho mesmo que não deve dar mais que esta satisfação, porque a Deus pertences e a Ele deves prestar contas. Quem ainda não entendeu que usas modelos, formas e sugestões, não vai entender o " espírito" de teu apostolado. É chover no molhado ou dar pérolas aos porcos. bjos

    ResponderExcluir
  7. Sempre tive vontade de comentar nas fotos dessa outra página do facebook/blog para dizer que a modéstia não precisa ser daquele jeito que eles(as) mostram, que de elegante não tem nada...
    Gosto da maneira como vc mostra a modéstia, Aline, só desta maneira contemporânea podemos atrair mais mulheres para ser cada vez mais femininas e a se respeitarem como Templo do Espírito Santo. Obrigada por seu apostolado! Que Nossa Senhora continue intercedendo por ti.

    ResponderExcluir
  8. Tantas crianças morrendo nesse exato momento e esse povo preocupado com a vida alheia;
    Marco Civil da Internet está às vésperas de ser aprovado (sim, Ideli Salvatti se aproveitando do caso Snowden) e o Zé povinho SUPER SANTO apontando dedos.
    Não se preocupe com as críticas externas, Aline. Deus está vendo tudo isso, e seu zelo com sua família é recompensador, tenho certeza.
    Salve Maria!

    ResponderExcluir
  9. Aline, considero que deve continuar o seu trabalho sem se importar com os detratores. Agradeço que tome seu pouco tempo livre e invista aqui. Eu aprendo bastante, embora o meu tipo de corpo não permita usar a maioria das roupas das fotos. Tenho duas filhas, no entanto, e pretendo ensinar a elas que é possível ser bonita, elegante e ainda assim preservar-se.

    ResponderExcluir
  10. Não entendi nada, MAS, se estão tendo tempo para falar de você, com certeza, não estão cumprindo suas obrigações de cristão como devem e estão deixando a oração de lado.
    Que Deus abençoe você e sua família.

    ResponderExcluir
  11. Caríssima, não sou religiosa como você mas acho suas escolhas sensatas e de muito bom-gosto.

    Dentre os blogs de moda e femininos que frequento o seu é um dos melhores.

    Acho que existe muita gente bitolada na Internet que tem coragem de escrever um comentário, mas duvido que teria coragem de dizer cara a cara. São pessoas que ao invés de se preocuparem com as próprias falhas, buscam criticar o trabalho dos outros. Afinal é muito mais fácil apontar possíveis defeitos do que fazer um trabalho tão proveitoso como você faz. Fique com Deus e continue com as postagens !!

    ResponderExcluir
  12. Querida, o melhor da vida é o que a gente faz, com objetivo de alguma coisa e tem a paz e certeza, que estamos contribuindo

    em sermos melhores: se há pessoas que não nos entendem, só elas perdem a oportunidade. Continue, tem muita gente do bem que gosta do seu blog... o resto é resto mesmo. Grande beijo e gracias por toda a partilha.

    ResponderExcluir
  13. Ainda estou longe de ser elegante e modesta como você, mas desde que comecei a ler seus artigos e acompanhar seus exemplos tenho buscado melhorar a cada dia, você é um modelo a ser seguido pra mim. Que esse seu apostolado dure por muito tempo.

    ResponderExcluir
  14. Minha querida, sou evangélica e amo acessar se blog, leio releio e me identifico com várias coisa, acima de tudo com o respeito, e eu te respeito como irmã em Cristo!!!

    ResponderExcluir
  15. Seu apostolado é uma benção, acompanho seu blog e sou grata a Deus pelo seu serviço, seu sim ao chamado próprio de Deus para sua vida me alcançou e hj me sinto muito mais feminina e de Deus. Deus a abençoe sempre!!!!

    ResponderExcluir
  16. Considero o teu blog um exemplo de como é possível ser feminina,moderna, elegante, sem abrir mão dos valores cristãos essenciais. Infelizmente, nem todos compreendem isso e não há muito a fazer a esse respeito, a não ser deixar que essas pessoas sigam o seu caminho.Sinto pena dessas mulheres, algumas tão novinhas, a mercê de fanáticos que as convencem de ideias absurdas. Que você, seu esposo e seus lindos filhos sejam ricamente abençoados!

    ResponderExcluir
  17. Olá, gosto muito de suas publicações! Um abraço, Thais

    ResponderExcluir
  18. Nesses momentos preciosos em que o Papa Francisco tem chamado a atenção ao acolhimento e a verdadeira humildade, fita métrica, falta de caridade e intolerância soam por demais conflitantes com palavras tão necessárias em nosso momento atual. Sempre acompanhei os dois lados da moeda - o seu blog e outros - digamos - mais "radicais" - um pouco por curiosidade e por interesse em descobrir a minha medida. Mas é importante demais encontrar a maturidade e talvez esse seja o ponto, Aline. Você já a encontrou e tem a paz e serenidade de se ver fazendo a vontade de Deus. Talvez até pela exposição que você e o Rafael - por um chamado apostólico - decidiram fazer da vida de vocês e da família, acabem chamando a atenção e despertando inveja, raiva e revolta em quem pode estar tomado de escrúpulos por não ter encontrado a doce medida. De nossa parte fica a oração pelo teu apostolado e para que as mulheres que desejam ser verdadeiramente como Nossa Senhora aprendam a guardar as coisas no coração e se formarem com um bom diretor espiritual. Uma dica - não sei se já fez - seria uma série de artigos sobre modéstia, elegância e estilo de vida saudável sem escrúpulos. Só alguém já alcançou ou luta ponderamente para isso pode ajudar a "clarear" as ideias de outras. (No mais, liberdade, liberdade e liberdade porque eu posso ser modesta e gostar de azul e você de roxo...rs) Abraço fraterno, Priscila Paço

    ResponderExcluir
  19. Nem brinca Aline! Escarnio vc sera somentr para escarnecedores! Voce eh uma mulher de Deus, jovem, sincera, INTELIGENTE. Vc retrata a mulher virtuosa sem perder a graça, a leveza e o bem senso! Graças a Deus es uma jovem e bela mulher q nao esta interessada em mostrar o quao perfeita es e sim mostrar a gloria de Deus na tua vida!

    ResponderExcluir
  20. Engraçado... Conheço o trabalho da Aline a 1 semana e já vi nesse blog tantas "pseudos-virgens marias" (em minusculo mesmo pois trata-se de uma ironia, e das grandes) que adoram atacar essa mulher! Gostaria de fazer algumas considerações, bem vindas ou não, são o que eu penso!

    1- Será que a Virgem Santa era tão procupada com "o que será que vão pensar de mim?" Resposa: Nunca! Deus escolheu ela por muitos motivos, mas um pensamento pessoal meu sobre um desses motivos foi pq ela era uma mulher de PERSONALIDADE. Se ela fosse uma mulher que quisesse "pagar" de santa para a sociedade ela teria mesmo tido coragem para gestar um filho sem estar casada e sem nunca ter tido relações com seu marido? Imagino as críticas que ela recebeu, deve ter sido chamada das piores coisas pelos escarnecedores! Imagina, mãe solteira e o pior, nem do novio é? (...) Mas ela NÃO se importava com o que as más línguas e os moralistas diziam dela, e sim do que o Senhor e seu marido sabiam dela. E foi suficiente!

    2- Se Maria estivesse na nossa época atual, será que morando no Brasil ela usaria um vestido sem mangas e acima do joelho? Eu acho possível. O que eu não acho possível é que ela ficasse apontando o dedo para mulheres católicas bem intencionadas e conservadoras e criticando o apostolado das mesmas pelo "estilo de roupa" que elas usam, sem respeitar a dignidade de uma MÃE DE FAMÍLIA CASADA.

    Existem muitas mulheres católicas (cof) que querem se espelhar na "castidade" das roupas e modos de Nossa Senhora que viveu a 2000 anos atrás e foi escolhida para ser mãe de Cristo, mas se espelhar na bondade, no caráter, na personalidade dela quase ninguém quer né? Lamentável!

    ResponderExcluir
  21. Olá Aline, descobri seu blog ontem e estou adorando !!!! Você fala o que eu sempre pensei e achei que no mundo só eu pensava assim rsrsrrs. A falta de limites e o desmazelo são atitudes muito mais comodistas, é a saída fácil para a falta de correção do caráter, porque, sim, isto dá trabalho, enfrentar seus demônios interiores requer coragem e disciplina. Como a banalização é regra geral hoje em dia, as pessoas optam pelo mais fácil. Agradeço todo o seu trabalho em disponibilizar informação e trazer a luz do entendimento a todos aqueles que a buscam.Beijo enorme !!!!!

    ResponderExcluir
  22. Querida Aline!
    Quero que saibas: A luz alheia (tua, no caso) incomoda e ofusca aqueles que não possuem luz própria (a maioria das radicais da modéstia que, de modéstia não têm quase nada, mas apenas puritanismo). Daí surge a inveja. Porém, tenha certeza: ele devasta muito mais quem o sente do que quem é invejado.

    Gostaria, aqui, de contar-lhe uma história que raramente compartilho com alguém. Sou jovem, tenho 17 anos, vivi muitos anos na completa imodéstia, apesar de ser católica desde que nasci. Eu era aquela que pensava: "Deus apenas olha o coração".
    Quando descobri a virtude da modéstia, infelizmente, a descobri por meio de um blog radical: saia até os pés, manga até os cotovelos, calça jamais e "que horror!" se aparecer o ombro.
    Minha primeira reação foi, sem dúvidas, um completo afastamento da Igreja e da modéstia. Pensava: "Já que preciso destas regras milimétricas para ser uma boa cristã, ok, então não sou uma boa cristã. Apesar de ainda amar a Deus". Isso me machucava. Muito. Até que não aguentei, senti falta da Missa, da presença de Deus e de Maria. Fui me confessar e conversei com o Bispo da minha diocese. Quando perguntei: "Pequei por usar calça comprida?" ele chegou a dar risada.
    E, basicamente, me explicou a modéstia da forma com que tu tentas nos ensinar neste blog: o pensamento por princípios. Ser mulher, elegante, bonita. Usar maquiagem, perfume. Ao mesmo tempo, "lembra-te da tua dignidade. Não sejas ocasião de pecado aos outros. Tu não precisas disto: és linda por ser quem és."

    Contigo, FINALMENTE aprendi que existe uma grande diferença entre estar na moda - seguir o conjunto de tendências ditadas pelos estilistas, pelas grifes e pelas amigas - e ser elegante e modesta. O fato de 90% das gurias usarem vestidos "a vácuo" não faz com que a peça seja menos deselegante. A moda, sozinha, é um conjunto de tendências; a preocupação com a elegância e com a modéstia é uma filosofia de vida: consiste em adaptar a moda ao nosso estilo, tipo de corpo, ao contexto, às circunstâncias e, principalmente, ao bom senso.

    Jamais aprenderia algo do gênero em um blog com uma lista de "peças condenadas". Estas listas nos transformam em meras "peças", criam quase um "comunismo da modéstia". Subestimam nossa capacidade de pensar, como se fôssemos meros robôs a reproduzir looks do século XX.

    Saiba, então, que estarei torcendo por ti, conterrânea! Quando vierem cheias de pedras nas mãos em tua direção, simplesmente aperte no "block". Este blog é precioso!

    Ah, caso não se importe de subir a serra, será bem vinda a Caxias do Sul para uma palestra!
    Um abraço, que o Espírito Santo ilumine tua vida, tua família, teu trabalho (estou entrando na faculdade de Direito também! Haha) e, é claro, teu apostolado.
    Paz e bem, um feliz 2015!

    ResponderExcluir

Modest Fashion Network

Curta no Facebook

Moda e modéstia

Estou no Instagram @aline.brodbeck