segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

Os 10 hábitos das mulheres elegantes: um guia fácil para adotar hoje

Para sermos mulheres elegantes precisamos adotar uma série de hábitos. Convivendo com muitas mulheres assim e buscando inspiração para a minha própria elegância, deixo aqui os dez hábitos que devem ser cultivados pelas mulheres que querem ser elegantes de uma vez por todas. É uma jornada, um desafio diário. A busca da elegância é um estilo de vida que passa pelo autoconhecimento e pela superação pessoal a cada instante.



1) As mulheres elegantes planejam o que irão vestir

Seja pensando o que irá usar durante o dia na noite anterior, seja sabendo, de antemão, o que vai usar em um evento, seja organizando o seu guarda-roupas para tirar melhor proveito de suas melhores peças elaborando grandes combinações, as mulheres elegantes procuram planejar o que irão vestir.



2) As mulheres elegantes procuram vestir ao menos uma peça clássica, independentemente de seu estilo pessoal

Você pode ser esportiva, ter um estilo dramático e moderno, mas no fim ao menos uma peça clássica - mesmo que você não tenha o estilo clássico - dará um toque no seu look e a fará ser elegante. Uma saia midi, uma calça de alfaiataria de bom gosto, uma bota de montaria, um scarpin discreto, uma camisa branca. 




3) As mulheres elegantes estão antenadas com a moda e as tendências, mas não são suas escravas

É ótimo ler sobre moda, né? Aqui no Femina, sempre trazemos as tendências para você se inspirar. Fique antenada, beba nas fontes das passarelas e das revistas. Mas não se embriague. Mantenha seu estilo e a modéstia. E não use uma peça tendência só porque todos estão dizendo para você usar. Não esqueça que você é única! E lembre-se: você não precisa ser rica para andar bem vestida.




4) As mulheres elegantes conhecem o seu corpo e só usam o que se encaixa bem nele

Conheça seu corpo e não erre ao tentar vestir algo que não fica bem em você. Aqui você tem algumas dicas para isso. E aqui como saber o seu tipo de corpo. Aquela calça jeans pode ficar linda em sua amiga, mas talvez não fique tão legal em você.




5) As mulheres elegantes primam pela sua própria dignidade, não pela exposição desmedida de seu corpo

Quem é leitora do Femina sabe: elegância sempre, mas nunca sem modéstia. E se você não sabe como conjugar essas duas virtudes, leia esse artigo.




6) As mulheres elegantes sabem o poder dos acessórios

Um bom acessório transforma todo um look. Uma camiseta simples, uma calça jeans velha, com um colar, um belo relógio e óculos da moda fazem toda a diferença.




7) As mulheres elegantes enxergam a maquiagem como se fosse uma roupa... e não andam nuas!

Maquiagem não é supérfluo, não é um plus. É uma exigência. Não porque seu rosto seja feio e você não goste dele ou esteja insatisfeita com Deus. A boa maquiagem é para valorizar a sua beleza e corrigir pequenos detalhes normais do tempo. Maquiagem é uma "roupa": não ande nua!




8) As mulheres elegantes se inspiram em grandes ícones de elegância sem sacrificar sua personalidade

Uma it girl, uma atriz que se vista bem, uma liderança política, uma grande benemérita da sociedade: não faltam mulheres elegantes para nos inspirar. Da minha parte, inspiro-me, claro que depois da Virgem Maria, meu maior modelo, na Audrey Hepburn e na Olivia Palermo.




9) As mulheres elegantes buscam sua elegância de seu interior

Vestir uma bela roupa, maquiar-se, estar alinhada, ter hábitos gentis e uma aparente distinção nas formas e nas maneiras. Tudo isso é importante, claro, mas nem sempre é realmente elegância. A verdadeira elegância externa deve vir de dentro. O frasco bonito que não revela um conteúdo igualmente bonito perde todo o seu sentido. É uma mentira, uma enganação, um produto estragado e com uma mensagem falsificada. É preciso que todas as nossas ações elegantes reflitam algo mais profundo. Apenas cuidar do exterior é adornar uma personalidade vazia. O enfeite pode dar uma aparência de beleza e elegância, mas logo isso se desfaz com a dura realidade.


“Elegância é uma questão de personalidade, muito mais do que de roupas.” (Jean Paul Gaultier)

Para alcançar essa elegância interior precisamos de tanto (ou até mais) esforço quanto aquele desprendido para chegar à elegância exterior. Se nos esmeramos para vestir algo bonito e agradável aos olhos, se há genuíno empenho em observar as regras de etiqueta, se mesmo no dia mais triste damos aquele gás para nos maquiar, também para sermos interiormente elegantes é preciso um certo afinco. 

A elegância, como vimos, se for meramente externa, é uma corrupção da verdadeira. É uma deterioração, uma distorção da legítima nobreza da alma, pois não se move pela caridade, não brota do espírito, não se manifesta no exterior como um sinal do interior: é o externo pelo externo, uma elegância puramente carnal.

Um exemplo disso é a França absolutista: “A alta sociedade francesa do século XVIII foi, entre muitos outros, um trágico exemplo disso. Nunca uma sociedade foi mais refinada, mais elegante, mais brilhante, mais fascinante. Os mais variados prazeres do espírito, uma intensa cultura intelectual, uma arte finíssima de agradar, uma requintada delicadeza de maneiras e de linguagem, dominavam aquela sociedade externamente tão cortês e amável, mas na qual tudo – livros, contos, figuras, alfaias, vestidos, penteados – convidava a uma sensualidade que penetrava nas veias e nos corações, e na qual a própria infidelidade conjugal quase já não surpreendia nem escandalizava. Essa sociedade trabalhava assim pela sua própria decadência e corria para o abismo cavado pelas suas próprias mãos.” (Pio XII. Alocução ao Patriciado e à Nobreza Romana, em 1945, in Discorsi e Radiomessaggi di Sua Santità Pio XII, Tipografia Poliglotta Vaticana, 14/1/1945, pp. 276-277)




10) As mulheres elegantes não o são apenas em sua roupa, mas nos sorrisos e nas atitudes, colocando o outro sempre antes de si mesmas

A elegância nasce da vida interior. Ela começa no relacionamento com Deus, mas passa pelo cultivo da imaginação, sobretudo a imaginação moral, e a certeza de que temos uma missão a cumprir nessa vida para ganharmos a próxima. E isso nos dá entusiasmo e alegria de viver.


“Não há beleza que seja atraente sem entusiasmo.” (Christian Dior) Se o conhecido estilista disse isso para todas, mais vale o recado para mulheres cristãs: até porque nosso entusiasmo tem uma inspiração maior que nos chega pela graça de Deus. Estejamos abertas a ela, e a nossa beleza será atraente, não para seduzir os homens pelo caminho do pecado, e sim para refletirmos o quão bela é a criação do Senhor. Todos podem ser entusiasmados, mostrando com a sua elegância externa a interna. Já os cristãos não apenas podem, como têm uma obrigação.

Ovídio dizia que é pela elegância que somos seduzidos. Aqui a palavra sedução não vai no sentido mau ligado à luxúria, à fornicação, ao adultério e a toda a sorte de atentados à castidade própria e alheia. Seduzir é atrair, e todos possuímos o poder de atrair, para o bem ou para o mal. É natural. É do ser humano. A elegância verdadeira, que vem de dentro, atrai para o bem. A falsa elegância, meramente externa age de modo semelhante à falta de elegância e de beleza mesmo exterior: ambas causam repulsa, a última instantaneamente, a primeira após descoberta a farsa de sermos apenas, como dizia Machado, enfeitadas.

“Para ter olhos belos, procure o bem nos outros, pois belos lábios, fale somente palavras de bondade, e para ter boa postura, caminhe com a certeza de que você nunca está sozinho.” (Audrey Hepburn)





Para saber mais sobre mulheres elegantes, continue acompanhando o Femina.

E não esqueçam de me seguir no Bloglovin e no Instagram.

12 comentários:

  1. Oi Aline,
    muito bacana seu site, gostei muito do texto sobre elegância! Te convido a escrever em nosso projeto de valorização da dignidade feminina, www.muitasmarias.com
    Abraço e paz

    ResponderExcluir
  2. Amei o artigo, ótimas explicações, simples e muito interessante. Com certeza começarei hoje o exercicio da elegancia.
    Deus abençoe

    ResponderExcluir
  3. Post interessante!
    Mas me pareceu que mulher elegante é sempre branca, alta, magra. É europeia.
    Ampliemos o olhar! Fique com Deus!

    Lilian

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lilian, se leu novamente, o artigo trata de modo mais universal no quesito da elegancia feminina, segundo a leitura da autora (Aline). Nele, perceba que nada há de excludente, nem para o tipo de corpo, como vê no item 4, sobre "vestir o que cai bem", pois cada corpo, uma roupa, e, cada um se vestindo o que melhor lhe convém. Cada um com seu corpo e com sua perspectiva de elegância. Nada há de Eurocentrismo aqui, pois ninguém está falando de antropologia, mas apenas de elegância segundo a forma e o desejo que vai corresponder a cada mulher.

      Excluir
  4. Eu disse isso, Lilian? Cuidado. Não vejamos racismo onde não há.

    ResponderExcluir
  5. Very beautiful and well thought out and written article !!!!
    Thank you for showing beauty and modesty .
    Blessings, Leticia from KingMakerBlog.com

    ResponderExcluir
  6. Um dos melhores artigos do blog, senão o melhor!
    Lendo esse artigo percebo que ainda tenho muito a caminhar para começar a ser realmente elegante. Obrigada por elucidar essa questão para mim.

    ResponderExcluir
  7. Muito bom o texto!
    Mas creio que num site que fala sobre a modéstia não deveria colocar fotos de mulheres com legging e calças muito justas.

    ResponderExcluir
  8. Very well written - and there are some great tips here.
    I too think that make up is "clothing" for the face.

    ResponderExcluir
  9. Todas as fotos são de mulheres magrelas! Acho que não tem lugar pra mim no mundo das elegantes...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O que tem uma coisa a ver com a outra? O fato de usar só fotos de mulheres mais magras (e não necessariamente magrelas) não significa que pessoas gordas não possam ser elegantes. Não é preciso ter cota pra peso em blog, né?

      Excluir
  10. Amei muito! Ainda tenho que "criar coragem" de me maquiar.

    ResponderExcluir